OCIDENTALIZAÇÃO DOS OLHOS

OCIDENTALIZAÇÃO DAS PÁLPEBRAS

A ocidentalização das pálpebras tem sido nos últimos 50 anos, uma das cirurgias plásticas mais procuradas pela população jovem dos países orientais, com finalidade de se obter um toque mais harmonioso à face.
A ocidentalização estética tem no Japão e na Coréia do Sul a popularidade da lipoaspiração no Brasil. Estima-se que 14.000 pessoas, sobretudo em São Paulo e no Paraná, submetam-se a cirurgias de ocidentalização a cada ano, o dobro do que acontecia no início dos anos 90. Metade dessas intervenções médicas é para criar a dobrinha sobre os olhos.
A cirurgia consiste em retirar parte da gordura existente nas pálpebras superior que existe em maior quantidade nas pálpebras orientais. Depois, é realizada a criação do sulco palpebral que muitas vezes é inexistente na pálpebra oriental.




PÓS-OPERATÓRIO

Geralmente ocorre formação de edema (inchaço) e equimose (manchas vermelhas), que podem variar de intensidade. Geralmente desaparecem na 1a ou 2a semanas. Para que a formação destas seja minimizada utilizam-se compressas geladas nos primeiros dias pós-operatórios. O sol deve ser evitado por aproximadamente 3 meses (uso de óculos escuros).
Importante manter repouso por pelo menos 1 semana , com retorno às atividades habituais após este período.



COMPLICAÇÕES

São muito raras. Mas como toda cirurgia tem seus riscos, podemos citar: hematoma, infecção, deiscência (abertura da sutura), ectrópio (inversão da pálpebra inferior) e esclera aparente, problemas anestésicos.



RESULTADO DEFINITIVO

Em geral toda cirurgia plástica leva 6 meses para o resultado definitivo, pois é o tempo necessário para o amadurecimento da cicatriz e reabsorção total do edema (inchaço).
ANESTESIA

Anestesia local e sedação com duração do procedimento de aproximadamente 1 hora.
TEMPO DE INTERNAÇÃO

Até 12 horas, quando usada anestesia local. Pode ser estendido para 24 horas no caso de anestesia geral ou conforme orientação do médico.